PUBLIQUE SEU ARTIGO TÉCNICO NO INSTITUTO AGRO

Gostamos de pensar no site do Instituto Agro como um espaço plural, onde os profissionais do Agro possam encontrar informações técnicas, mas também trocar experiências e compartilhar resultados.

Por isso, criamos esta página para apresentar a você a nossa política editorial, as instruções ao autores para a elaboração dos artigos e como enviar um artigo para publicação no site do Instituto Agro.

Vamos lá!

1. Quais artigos técnicos são publicados no site do Instituto Agro?

Publicamos artigos técnicos que auxilem na resolução de problemas do cotidiano dos profissionais de Excelência do Agronegócio, ou seja, principalmente tutoriais que ensinem algo, como por exemplo, como utilizar uma ferramenta, como tomar uma decisão, como fazer um planejamento, como fazer a gestão de um Agronegócio, dicas sobre carreira, preparação profissional, etc.

Você sabe fazer um diagnóstico ou análise de algo? Conhece técnicas avançadas em alguma área do Agronegócio? Que tal compartilhar essa sua expertise com os profissionais do Agro?

Temos convicção que as experiências e os resultados compartilhados são essenciais para a comunidade de profissionais do Agro evoluir.

2. Como devo preparar os artigos técnicos?

Os artigos podem ser elaborados em qualquer editor de texto que você preferir, como o Microsoft Word, por exemplo. Precisa, entretanto, ser enviado em um arquivo editável (por favor, não nos envie em PDF!).

Em linhas gerais, o artigo deve ter no mínimo 1.800 palavras, escrito em linguagem informal e pessoal, que dialogue com o leitor. Um texto desse tamanho precisa ser dividido em seções, para não ficar cansativo, e cada seção deve possuir no máximo 290 palavras.

ATENÇÃO: SERÃO PUBLICADOS APENAS ARTIGOS TÉCNICOS ORIGINAIS, QUE AINDA NÃO FORAM DISPONIBILIZADOS EM OUTRO SITE, BLOG OU REDES SOCIAIS.

Envie seu artigo técnico para o e-mail [email protected], que teremos a maior satisfação em compartilhá-lo com os profissionais do Agro.

3. Comece compreendendo a persona

O ponto de partida para qualquer artigo para internet é ter clareza sobre para quem você está escrevendo.

E uma das melhores formas de descrever esse seu potencial leitor é criar uma persona.

Uma persona é um perfil semificcional que representa o leitor ideal de um site, criado para lhe ajudar a compreender melhor suas necessidades, dúvidas e anseios.

A persona é criada com base em dados reais sobre comportamento e características demográficas dos leitores.

À primeira vista, pode parecer que público-alvo e persona são sinônimos, mas não são. Enquanto o público-alvo é a descrição do seu segmento de mercado de forma mais ampla e generalizada, a persona é uma representação do seu leitor ideal de forma mais humanizada e mais personalizada.

No caso do Instituto Agro, nosso público-alvo e nossas personas são:

Público-alvo: estudantes e profissionais de Ciências Agrárias, como Engenheiros Agrícolas, Engenheiros Agrônomos, Engenheiros Florestais, Médicos Veterinários, Zootecnistas e demais profissionais do Agronegócio

Persona 1: Arthur tem 21 anos e é estudante do 8º semestre do curso de Agronomia. Sempre estudou para as disciplinas apenas o suficiente “para passar”, decorando os conteúdos sem aprendê-los de fato. Além de apresentar dificuldades com conceitos básicos, possui limitações em utilizá-los de em situações práticas e em resoluções de problemas complexos. De maneira geral, tem a impressão de que não sabe nada sobre Agronomia e que irá aprender “de verdade” apenas quando estiver exercendo a profissão.

Persona 2: Agatha tem 28 anos, é Engenheira Agrônoma e trabalha como Representante Técnica de Vendas (RTV) em uma revenda de insumos agropecuários. Está sempre em busca de novos conhecimentos e de atualização profissional, principalmente sobre como vender mais (e melhor) e sobre orientações técnicas para seus clientes.

Persona 3: Júlio tem 35 anos, é produtor de soja e milho e proprietário de um imóvel rural de 5.000 hectares. Possui ensino médio e facilidade com informática. Sabe os custos de produção apenas “de cabeça”, não adota rotação de culturas e tem visto sua margem de lucro ser drasticamente reduzida ao longo dos anos. Toma decisões de acordo com sua intuição, recebe orientações técnicas das revendas e presta muita atenção no manejo de seus vizinhos. Sabe que o sistema de sucessão soja-milho já se esgotou e que não apresenta mais resultados satisfatórios, mas não sabe como mudar.

4. Diferenças entre artigos para a internet e artigos acadêmicos/científicos

Depois de muitos anos escrevendo artigos científicos e trabalhos acadêmicos, adquirimos alguns vícios de linguagem e de escrita que não são adequados para a produção de conteúdo para a internet.

Entre as principais diferenças, gostaríamos de ressaltar:

 

Linguagem pessoal

Se você escreve trabalhos acadêmicos na área Ciências Agrárias, provavelmente tem o hábito de utilizar o sujeito oculto, ou na 3ª pessoa, com um estilo de redação frio, distante e impessoal.

Os textos para internet, ao contrário, são pessoais, em 1ª pessoa, com um diálogo direto com os leitores.

Para dialogar com o leitor, abuse da palavra “você” e dos verbos no modo imperativo.

Repare em como este texto foi escrito até aqui, dialogando com você.

Compartilhe casos, estórias e experiências que você vivenciou. Discuta os conceitos procurando contextualizar suas aplicações práticas. Quanto mais exemplos utilizar, melhor será o seu texto.

 

Tamanho dos parágrafos

Outro vício que você provavelmente pode ter adquirido na vida acadêmica é o de escrever parágrafos imensos, que esgotam o assunto, não é mesmo?

Pois na internet, a lógica é um pouco diferente. Cerca de 40% dos acessos do Instituto Agro são realizados via smartphones.

Se no desktop o texto apresenta 4 linhas, na versão mobile essas 4 linhas irão se transformar em 8.

Além disso, o texto fica menos “pesado” e mais agradável à leitura. Utilize frases curtas, e apenas uma ou duas frases por parágrafo.

Procure utilizar palavras de transição entre os parágrafos, como “entretanto”, “além disso”, “desta forma”, “ por isso”, etc.

Mais uma vez, repare na estrutura e na distribuição das frases e dos parágrafos neste texto.

 

Seções, listas e citações

A maior parte dos leitores na internet fazem um scanning do texto antes de começar a leitura propriamente dita.

Dividir o texto em seções não só auxilia no scanning e na organização dos conteúdos, como também serve como um roteiro sobre os assuntos que você irá abordar e sobre a sequência em que eles devem aparecer.

No Instituto Agro, utilizamos cinco a seis seções por artigo, com no máximo 290 palavras cada, que separam os assuntos que serão abordados sobre o tema principal. Também servirão como índice do artigo.

As listas também são estratégias importantes. As listas organizam os conteúdos e são muito apreciadas pelos leitores e pelos mecanismos de busca.

Já os conceitos e citações aparecem destacados no texto e, por isso, capturam a atenção de quem está realizando scanning, além de realçar pontos importantes.

 

Citações na internet

Esqueça a ABNT e as regras acadêmicas para referências bibliográficas. Elas não são utilizadas em artigos para a internet.

Entretanto, se apropriar de um texto ou de uma ideia que não é sua continua sendo plágio.

A diferença é que na produção de conteúdo para internet as citações são realizadas no formato jornalístico, e por meio de hiperlinks, como por exemplo:

 

O pré-cultivo da crotalária, do feijão-de-porco, do nabo forrageiro e do coquetel de adubos permite maiores ganhos em produtividade.

Pesquisadores de Minas Gerais afirmam que o pré-cultivo da crotalária, do feijão-de-porco, do nabo forrageiro e do coquetel de adubos permite maiores ganhos em produtividade.

Em um estudo realizado em Montes Claros-MG, os pesquisadores verificaram que o pré-cultivo da crotalária, do feijão-de-porco, do nabo forrageiro e do coquetel de adubos permite maiores ganhos em produtividade.

 

Hiperlinks também servem como sugestão de leituras complementares e são apreciados pelos mecanismos de buscas, por isso, todo texto para o Instituto Agro deve conter obrigatoriamente:

– no mínimo 03 links para artigos científicos, teses ou dissertações;

– no mínimo 02 links para materiais de instituições que são referência na área (Embrapa, FNQ, Sebrae, etc);

– no mínimo 03 links para artigos já publicados no Instituto Agro

Para verificar a ocorrência de plágio, nós utilizamos o software CopySpider. Publicamos no Instituto Agro apenas textos com índice de similaridade no CopySpider menores que 1,5% para qualquer referência.

5. Checklist dos artigos técnicos para o Instituto Agro

  • O texto possui no mínimo 1.800 palavras, excluindo-se o título e a descrição
  • O texto é dividido em seções, e cada seção possui no máximo 290 palavras
  • O artigo possui no mínimo 03 links para artigos científicos, teses ou dissertações
  • O artigo possui no mínimo 02 links para materiais de instituições que são referência na área
  • O artigo possui no mínimo 03 links para artigos já publicados no Instituto Agro
  • A dificuldade enfrentada pela persona é facilmente identificada no início do texto
  • O texto descreve adequadamente o problema da persona e explica como solucioná-lo
  • A linguagem é pessoal, descontraída e dialoga com o leitor
  • As frases são curtas e os parágrafos possuem no máximo duas frases
  • O índice de similaridade no CopySpider menores que 1,5% para qualquer referência

 

Tudo certo? Basta enviar seu artigo técnico para o e-mail [email protected], que teremos a maior satisfação em compartilhá-lo com os profissionais do Agro.